O Pendor das Sombras

A primeira vista, o Pendor das Sombras parece muito com o mundo. Não se trata de uma verdejante e viçosa área de caça como a Agrestia das Fadas, tampouco o tumultuado campo de batalha visto no Caos Elemental. Sua aparência pode ser traiçoeira, entretanto, uma vez que as diferenças do Pendor das Sombras se encontram entremeadas na própria matéria do plano.

Neste sombrio e imperfeito reflexo do mundo natural, escuridão e melancolia tomam o lugar da luz e esperança, infundindo tudo com um sentimento depressivo. Uma sensação de medo e isolamento preenche o coração dos seres vivos com uma vontade de se entregar ao seu destino. Apenas aqueles fortes no coração e na mente conseguem sobreviver em um lugar como esse.

Criaturas das trevas empestam tanto viajantes quanto residentes do Pendor das Sombras. Almas flutuam pelas paisagens desoladas, estejam elas presas ou atormentadas. Grandes forças tentam obter o controle destas terras, iniciando guerras pelo domínio sobre a morte. Por estas razões e muitas outras, o Pendor das Sombras atrai heróis que tenham sede de aventuras e o desejo de fazer o bem.

Medo, Isolamento e Morte

O Pendor das Sombras não é inerentemente maligno, mas criaturas maléficas são fortes e poderosas lá. Terríveis oponentes aguardam os heróis no Pendor das Sombras, lembrando que a escuridão oferece um abrigo seguro para coisas sinistras e sombrias. Aventureiros podem esperar batalhas diretas contra mortos-vivos e feras das trevas, bem como intriga e conspiração ao enfrentar espreitadores astutos e mestres manipuladores.

As criaturas do Pendor das Sombras usam a escuridão e o medo em sua vantagem, surpreendendo e emboscando inimigos desatentos. Diversas situações não precisam levar a uma batalha para instilar tensão ou medo. Um beco estreito com janelas escuras, onde assassinos podem estar escondidos, podem levar os aventureiros aos seus limites, mesmo quando nenhum perigo estiver presente.

Os monstruosos residentes do Pendor das Sombras podem ser tão provincianos e deprimidos como os do mundo natural. As pessoas do Pendor das Sombras são mais xenofóbicas e desconfiadas, entretanto. Eles são propensos a sacar as armas antes de falar qualquer coisa. Um bando de viajantes no Pendor das Sombras, por exemplo, representa uma ameaça bem maior que um no mundo natural. O perigo constante de ataques pode levar os aventureiros a suspeitar de qualquer pessoa que encontrem.

A morte é uma parte fundamental do Pendor das Sombras, tão ubíqua quanto a vida é nos domínios mortais. Quaisquer heróis que cheguem ao Pendor das Sombras devem esperar ficar frente a frente com a morte. Criaturas da morte rondam a paisagem funesta, banqueteando na vitalidade daqueles audaciosos o bastante para vagar pelos caminhos sombrios do plano. Ainda, a Rainha de Rapina mantém vigilância constante sobre aqueles que visitam seus domínios, despachando seus lacaios para lidar com qualquer ameaça a seu reinado.

A Passagem do Tempo

Por vezes, algumas criaturas percebem o tempo de forma diferente no Pendor das Sombras, quando comparado ao seu mundo de origem. Em vez de passar de acordo com o nascer e o pôr do sol, o tempo avança de acordo com a melancolia que infecta a mente de cada um. À medida que o indivíduo sucumbe à depressão e apatia, o tempo parece se arrastar. Se alguém se deixa levar até as profundezas do mais puro desespero, o tempo parece parar completamente.

Visitantes do Pendor das Sombras podem ter a sensação de que dias ou mesmo semanas se passaram, quando na verdade, anos transcorreram em seus planos nativos. Mais de um viajante do Pendor das Sombras se aventuraram pelo plano, somente para descobrir, ao retornar para casa, que tudo aquilo que esta pessoa amava havia desaparecido.

O Pendor das Sombras

A Cidade da Meia-Noite renan_nunes